Para manter uma empresa de transportes eficiente e produtiva, a manutenção de frota de caminhões é essencial.  

Manter os veículos em perfeitas condições ajuda a assegurar a oferta de bons serviços e a satisfação de clientes. 

Além disso, diminuir custos com esse tipo de gestão também é muito importante para manter a conta positiva. No entanto, isso precisa ser executado de maneira organizada e muito bem planejada.  

Veja a seguir algumas dicas importantes.  

Gestão eficiente da manutenção de frota de caminhões 

Conheça alguns passos importantes para a eficiente gestão de frotas e conservação dos veículos. 

  1. Ter um plano de manutenção

É preciso entender uma coisa: a transportadora tem muito a ganhar se adotar métodos de manutenção de frota de caminhões que realmente funcionem. Para isso, é preciso conhecer os três tipos de manutenção.  

a) Manutenção preventiva

Como o próprio nome diz, tem a intenção de prever o que pode acontecer com um veículo.

Por exemplo, imagine que em uma revisão de rotina é detectada uma pequena falha, que pode ser facilmente reparada. O que fazer? Reparar agora ou esperar, porque “o caminhão ainda aguenta”? Lembre-se que o que é somente um “probleminha” hoje, amanhã pode se tornar algo não tão simples de ser solucionado, e isso pode ter resultados como atraso nas entregas, clientes insatisfeitos, despesas extras etc.  

Diversos pontos devem ser checados durante a manutenção preventiva, mas os mais importantes são: 

  • estado e calibragem dos pneus, antes e após as corridas; 
  • funcionamento dos freios; 
  • níveis do óleo do motor e demais fluidos do caminhão; 
  • funcionamento adequado do sistema elétrico; 
  • carga e prazo de validade das baterias. 

b) Manutenção preditiva

Este tipo de manutenção é muito parecido com o preventivo. No entanto, ela gera mais custos, pois é feita com práticas mais específicas e uso de equipamentos modernos, como: 

  • câmeras térmicas; 
  • monitoradores de vibração; 
  • rastreadores. 

O objetivo é inspecionar de perto e regularmente para saber se o desempenho dos veículos está como o esperado ou se está apresentando algum tipo de problema. 

c) Manutenção corretiva

Tem uma abordagem diferente das demais e, pelo nome já se percebe que ela acontece quando o problema já se instalou. Obviamente, ela custa mais e é necessária quando as outras manutenções não estão sendo realizadas (ou não estão sendo bem feitas).

Vale lembrar que, do conserto e da mão de obra emergencial gerarem um gasto elevado, a manutenção corretiva faz os serviços pararem, comprometendo sua produtividade e faturamento.  Afinal, é menos um veículo na estrada.

  1. Ouvir o que o motorista tem a dizer

Ninguém conhece o veículo melhor do que o caminhoneiro que o dirige, por isso, sempre que o profissional se queixar ou sugerir algo, ouça e considere o que ele está dizendo. Ele conhece o veículo mais que ninguém e pode notar algo estranho no motor, na suspensão ou problemas para girar o volante, por exemplo.  

  1. Capacitar e treinar os motoristas

Parece algo meio óbvio, mas é sempre bom lembrar. Você deve ter em mente que quanto mais seu motorista souber sobre boas práticas, mais ele vai vestir a camiseta da empresa.  

Além disso, é preciso estar sempre lembrando esses profissionais sobre os vícios de direção e maus hábitos que eles têm enquanto dirigem.

Um exemplo: a marcha lenta. Quando o caminhão funciona nessa condição, provoca desgaste acentuado, reduz a durabilidade do motor, aumenta o consumo de combustível e emite muitos poluentes na atmosfera. 

Educar a equipe de motoristas para perder esse costume representará uma diminuição de custos diretos e indiretos, como a “temida” manutenção corretiva. 

Por isso, é indispensável capacitá-los. Assuntos como segurança, mudanças de conduta, controle de manutenção, cuidados com o transporte de mercadorias, legislação de trânsito, inspeção/reparo da máquina e proatividade para informar problemas fazem parte da formação de bons condutores de frotas. 

Tem alguma dica que possamos adicionar aqui? Deixe nos comentários!

Nos vemos no próximo post!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão destacados com *

Olá!